Conhece o Data4Good?

Eu sei que tenho apresentado poucas postagens sobre acompanhamento político nos últimos tempos, mas eu tenho encontrado tantos projetos legais na área política que vale a pena dar uma parada na programação normal para apresentar para vocês. E no fim das contas o objetivo do blog é democratizar a política, então nada mais justo que compartilhar iniciativas legais que tem o mesmo objetivo que eu.

Depois de me explicar (porque é provável que eu apresente mais projetos legais) vamos ao que interessa! Hoje é o dia do Data4Good, antes de qualquer coisa acesse o site AQUI e conheça a ideia da Tatiana Capitanio, idealizadora do projeto.

Na descrição do site encontramos uma explicação simples e direta do que é a proposta:

Data4good é um movimento que acredita que o acesso à informação, sua compreensão e disseminação são fundamentais para resolver problemas de interesse público, apoiando e encorajando consciência social e mudanças para o bem.

Nós acreditamos que informação gera mudança, pois permite a melhor compreensão de determinado cenário, e ação no sentido certo. Porém, as diferenças do acesso à informação e da capacidade de interpretação são alarmantes em nosso país. Os dados de interesse público são muitas vezes de difícil acesso, com organização precária, e comunicados de forma parcial.

Por meio do Data4Good, nos propomos a trazer estes dados para os cidadãos, de forma simples, bonita e interessante; e junto com as informações, oferecer dicas de como cada um de nós pode agir para mudar estes cenários.
Publicaremos infográficos semanais sobre as mais diversas áreas de interesse público, junto com dicas do que cada pessoa pode fazer para mudar esta realidade.

Tive a oportunidade de conversar com a Tatiana por e-mail e o mais legal é perceber como ela acredita que os dados podem ser utilizados para promover bem estar social. Organizações não governamentais podem entender melhor como ajudar o público da região que atuam, pessoas podem criar novas iniciativas depois de saber das necessidades de determinado grupo/tema.

O mais interessante é que o site quer promover um debate e incitar as pessoas a ação. Se 20% da população de determinada cidade está com problemas de saneamento básico qualquer um pode propor alguma ideia e procurar meios de executá-la para que tudo possa ser resolvida com ajuda ou não do governo.

Passear pelo site e ver os infográficos de cada tema é uma boa pedida!

Por Ana Paula Ramos

Surpresa, mas nem tanto

Ontem muitos foram pegos de surpresa com a carta de demissão de Marta Suplicy. Para os mais atentos esse já era um movimento esperado e acho até que a coordenação do pedido com a ausência da presidente em decorrência da reunião do G-20 pode ter sido combinada.

O desgaste entre Dilma e Marta vem se intensificando desde que a ex-Ministra da Cultura ofereceu um jantar a partidários em sua casa para falar sobre a possibilidade do “Volta Lula”. Quando o movimento foi iniciado dentro do partido ela acabou erguendo essa bandeira alto demais. Dentro do partido muitos reclamaram do envolvimento da Senadora, alguns disseram que se ela tivesse se empenhado mais o desempenho da presidente eleita poderia ter sido melhor. Houve desgaste também com Rui Falcão em uma carreata em São Paulo e unindo isso a coisas que não vieram a tona, a situação estava por um fio.

Teve gente que ficou bastante surpresa com o seguinte trecho da carta de demissão:

Todos nós, brasileiros, desejamos, neste momento, que a senhora seja iluminada ao escolher sua nova equipe de trabalho, a começar por uma equipe econômica independente, experiente e comprovada, que resgate a confiança e credibilidade ao seu governo e que, acima de tudo, esteja comprometida com uma nova agenda de estabilidade e crescimento para o nosso país. Isto é o que hoje o Brasil, ansiosamente, aguarda e espera.

Caros leitores, cuidado para não se enganar por ler exatamente o que você gostaria de ver de alguém vindo do governo. Primeiro: Ela colocou isso na carta de demissão e não em um tratado de intenções para atuação governamental. Segundo: O eleitorado de Marta é paulista, se ela não se manifestar a respeito disso poderiam entender que ela está a favor das ações da presidente. Terceiro: Se ela realmente estivesse insatisfeita com a forma de condução do país e com os rumos do partido que ela pertence ela teria feito uma carta de desligamento do partido e não apenas de demissão.

Lembre-se que a política é teatro e ganha quem atua e arrecada melhor.

Por Ana Paula Ramos