Assaltar sem olhar a quem

Na manhã de hoje a casa do presidente do DEM-DF, Roberto Fraga, foi assaltada por bandidos que renderam a esposa dele e levaram joias, a coleção de relógios e uma escopeta calibre 12 que estava no quarto em que o ex deputado dormia. Ao que tudo indica os três assaltantes eram maiores de idade e aproveitaram o momento em que a esposa de Fraga chegava do mercado para entrar na casa.

O ex deputado era secretário de transporte quando o escândalo de Júlio Urnau, secretário adjunto, estourou no DFTrans. Agora ele sentiu na pele o que milhares de pessoas sofrem diariamente no Distrito Federal. Será que alguma ação virá da parte dele ou o  ocorrido servirá apenas como mecanismo para alfinetar ainda mais o governador?

Fraga

Para quem não se lembra, em fevereiro passamos pela operação tartaruga da polícia militar e o DF chegou a registrar 12 mortes em 48 horas e foi parar no noticiário nacional. A polícia voltou a trabalhar, o governo nomeou concursados e agora os índices estão menores, mas na quinta feira os funcionários do centro de saúde nº1 de Samambaia cruzaram os braços por falta de segurança no local, que sofre constantemente com furto a carros e assalto a mão armada contra funcionários e frequentadores do posto. O estopim para que a paralisação ocorresse foi o assalto a um ex funcionário do posto no dia anterior. O idoso reagiu ao assalto e acabou levando um tiro no queixo (Clique AQUI para ver a notícia).

A escalada de violência aparentemente está sob controle, mas muitas pessoas continuam tendo medo ao sair nas ruas. A política de segurança do DF está falida a muito tempo e os bandidos estão cada vez mais ousados. Não por assaltar um ex-deputado, porque ele é morador da cidade como todos nós, mas porque os crimes estão mais frequentes e acontecem inclusive a luz do dia. Se fizermos um tour pelas comerciais da Asa Sul ou pelos comércios das demais cidades a reclamação dos comerciantes será a mesma e dificilmente você encontrará algum estabelecimento que ainda não foi assaltado.

A ausência de resposta do governo (e não se enganem, não é apenas deste governo) faz com que os marginais se sintam mais a vontade para agir e a população fique cada vez mais refém da insegurança e do medo. Que medidas estamos esperando? Que medidas estão sendo tomadas? Para a população a impressão que fica é a de que muito pouco está sendo feito e que as ações são todas paliativas e não atingem a raiz do problema. Se é que sabemos, de fato, a raiz dele.

Até quando vamos ter que nos esconder?

Por Ana Paula Ramos

Anúncios

Deixe sua opinião

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s